Texto Bíblico: João 20:1-18.

Comentário: O Desejado de Todas os Nações,
capítulo 82.

Verso Bíblico: João 20:11.

 

 

 

A Primeira Testemunha: Maria Madalena após a ressurreição de Jesus

SINOPSE
A reação de Maria Madalena diante da crucifixão de Jesus talvez tenha sido a mais comovente de todas. Ao lermos o relato bíblico, podemos visualizar sua face entristecida, a pele marcada pelas lágrimas e ouvir os soluços do choro angustiante. Ao descrever a ressurreição de Cristo, os Evangelhos apresentam uma face muito humana, a face de Maria Madalena.
Maria Madalena amava muito a Jesus, e por uma boa razão. Marcos 16:9 diz que Jesus expulsou de seu corpo sete demônios. Sem dúvida, esse já é um grande motivo para deixar alguém feliz e grato; mas, além disso, Maria também foi uma prostituta. Maria externou sua gratidão pelo que Jesus fez em sua vida alguns dias antes de Sua morte. Foi ela quem lavou os pés do Mestre com lágrimas, secou-os com os cabelos e ungiu o Salvador com o perfume mais precioso que havia na época, deixando horrorizados, na ocasião, todos os presentes na casa de Simão (Lucas 7). Muito lhe havia sido perdoado, por isso amava tanto.
O profundo amor que Maria sentia pelo Salvador fez com que recebesse a maior revelação de todos os tempos. Ela foi a primeira pessoa a ver Jesus após Sua ressurreição. Jesus conversou com ela e a confortou antes de aparecer para qualquer outro ser humano. Esse é um dos pontos-chave a ser enfatizado no estudo desta semana. Aqueles que amam a Cristo de todo o coração e sinceramente O buscam receberão novas revelações da graça divina.
Além disso, contrariando a cultura patriarcal, Jesus escolheu revelar Seu estado glorificado a uma mulher. Cristo quebrou muitos tabus sociais de Sua época e, sem dúvida, esse foi um dos exemplos mais marcantes.


OBJETIVOS  PARA OS ALUNOS ALCANÇAREM:
• Aprender que Deus oferece esperança a todos os sofredores. (Saber)
• Sentir a alegria de saber que Deus tem um papel especial para cada um de nós em Seu grande plano da redenção. (Sentir)
• Crer que Jesus ressuscitou dentre os mortos e nos oferece a esperança de um dia vivermos eternamente com Ele. (Responder)


PARA SEREM EXPLORADOS PELOS PROFESSORES:
• Esperança
• Identidade Sexual
• Alegria

Atividade
O objetivo dessa atividade é levar os alunos a refletirem sobre o papel das mulheres na Bíblia. Se preferir, prolongue a atividade analisando histórias de outras personagens bíblicas, como Raabe, Hulda, Dorcas e assim por diante.
Muitos teólogos feministas criticam o que chamam de papel “servil” das mulheres na Bíblia. Lembre os alunos de que as histórias bíblicas foram registradas dentro dos padrões culturais da época em que ocorreram. Isso não quer dizer que Deus aprove costumes sociais que subestimem a mulher. A lição desta semana nos mostra a visão de Deus em relação ao papel especial das mulheres em Seu plano de amor.


Ilustração

A mensagem escolhida para o dia 29 de setembro de 1992 no devocional Today in The Word (Hoje na Palavra), escrita pelo Moody Bible Institute, apresentou a seguinte história:
“Edith Rockefeller McCormick, a filha de John D. Rockefeller, tinha muitos empregados domésticos. Todos eles, sem exceção, deviam obedecer à seguinte regra: Nunca falar com ela. A regra foi quebrada uma única vez, dia em que chegou a notícia na casa de campo da família de que o filho mais jovem havia falecido de escarlatina.
“Na ocasião, a família McCormick oferecia um banquete aos amigos. Após uma discussão entre os empregados, decidiu-se que a Sra. McCormick precisava saber da triste notícia o mais rápido possível. Assim que a notícia lhe foi comunicada, ela apenas meneou discretamente a cabeça e a festa continuou sem ser interrompida.”
Certamente, a Sra. McCormick ficou muito triste com a notícia da morte do filho, mas a etiqueta que seguia tão à risca não permitiu que externasse suas emoções em público
— mesmo diante de uma notícia tão terrível. Todos nós lidamos com a dor de formas diferentes, mas uma coisa é certa: enquanto vivermos neste mundo de pecado, estaremos sujeitos à dor e ao sofrimento.

Uma Ponte Para a História

Você pode imaginar como deve ter sido difícil para Edith Rockefeller McCormick continuar participando do banquete depois de receber a notícia da morte do filho? Sua reação deixa uma pergunta no ar: será que ela realmente o amava?
Compare a reação de Edith com a de Maria Madalena após a morte de Cristo. Ao lermos o relato bíblico, temos a impressão de que, se não fosse em respeito ao dia de sábado, Maria teria permanecido no sepulcro de Jesus até que o anjo descesse para chamá-Lo de volta à vida. O sofrimento de Maria cedeu lugar à esperança e à alegria de encontrar o Salvador ressurreto.


Aplicando a História (Para Professores)

• A descrição da ressurreição de Cristo encontrada no Evangelho de João é singular por várias razões. Por exemplo, João foi o único que mencionou que a faixa que foi colocada ao redor da cabeça de Jesus estava dobrada ao lado dos lençóis de linho utilizados para sepultá-Lo. Lucas mencionou os lençóis de linho, mas não disse que estavam dobrados. Em sua opinião, por que será que João mencionou esse fato? Esse detalhe não deve ser passado por alto, especialmente pelos adolescentes que não gostam de arrumar o quarto e ajudar na organização da casa! Além disso, esse fato também é muito importante, pois os líderes judeus alegaram que alguém havia roubado o corpo de Jesus. Certamente, os ladrões não perderiam tempo dobrando os lençóis!
• Assim que Maria Madalena e as outras mulheres disseram aos discípulos que o corpo de Jesus havia sumido, Pedro e João safram correndo até o local em que Jesus fora sepultado. Lucas 24:12 deixa claro que até mesmo depois de ver o túmulo vazio e os lençóis do sepultamento dobrados, Pedro voltou para casa “admirado com o que havia acontecido”. Os discípulos não compreendiam as profecias do Antigo Testamento a respeito da ressurreição de Cristo e não se lembraram das palavras do Mestre.
• As primeiras palavras de Jesus após a ressurreição de que temos notícia foram: “Mulher, por que você está chorando?” (João 20:15). Jesus sabia o motivo da tristeza de Maria. Por que será que mesmo assim fez essa pergunta? Será que essa pergunta estava relacionada à esperança de que Jesus falou antes de Sua crucifixão? Talvez a pergunta de Jesus tivesse um significado mais profundo do que percebemos numa leitura superficial: “Por que você está chorando se lhe disse que ressuscitaria?”

Os alunos foram desafiados a compartilhar duas lições que puderam aprender na seção Estudando a História da lição do aluno. Uma delas seria a bênção recebida por aqueles que buscam sinceramente a Cristo. Outra, a grande compaixão que Jesus demonstrou para com as pessoas que sofreram com Sua morte. Jesus foi o primeiro Consolador enviado por Deus à Terra.


Utilize as passa gens a seguir como fontes alternativas relacionadas à lição desta semana:

Salmo 39:7 1 Tessalonicenses 4:16-18
1 Coríntios 15 Lamentações 3:24

Apresentando o Contexto e o Cenário

1. O Conflito Cósmico. Nunca devemos nos esquecer de que a ressurreição de Cristo ocorreu em meio a um conflito intergaláctico intenso entre Deus e Satanás. Isaías 14:12-15 descreve o motivo que levou Deus a expulsar Satanás e seus anjos do Céu. Apocalipse 12:12 revela a atitude de Satanás ao ser expulso e adverte-nos: “Mas ai da terra e do mar! Pois o diabo desceu até vocês e ele está muito furioso porque sabe que tem somente um pouco mais de tempo para agir.”
Satanás direcionou a raiva que tem de Deus para os habitantes da Terra. Seu objetivo é destruir cada ser humano a qualquer custo. Jesus escolheu vir a este mundo para nos salvar. Não veio na forma divina, mas revestiu-Se da fraqueza humana. A ressurreição de Cristo não apenas salvou a humanidade, mas também selou o destino eterno de Satanás. As únicas etapas que ainda restam ser cumpridas no grande drama cósmico são a segunda vinda de Cristo para buscar os justos, o milênio em que os justos examinarão os registros da vida dos fmpios e o extermínio do pecado.


2. O Encontro com o Pai. Logo após a ressurreição, Jesus proibiu Maria de tocá-Lo. Primeiro, Ele deveria subir ao Céu para Se encontrar com o Pai. Apesar do sacrifício de Jesus ter sido perfeito, a aceitação de Sua vida em resgate da humanidade pecadora não dependia apenas do que havia feito. Seu sacrifício tinha que ser aceito por Deus, assim como no sistema sacrifical judaico. Elien White observou: “Subiu às cortes celestiais, e ouviu do próprio Deus a afirmação de que Sua expiação pelos pecados dos homens fora ampla, de que por meio de Seu sangue todos poderiam obter a vida eterna, O Pai ratificou o concerto feito com Cristo, de que receberia os homens arrependidos e obedientes, e os amaria mesmo como ama a Seu Filho.” — O Desejado de Todas as Nações, p. 790.

3. A Sequência dos Eventos da Ressurreição. Cada um dos Evangelhos apresenta uma descrição levemente diferente a respeito dos eventos relacionados à ressurreição de Cristo. Unir a sequência das cenas apresentadas em todos os Evangelhos é um desafio. A seguir, encontra-se a sequência sintetizada dos eventos da ressurreição:
a) Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé se dirigem ao túmulo de Jesus (Lucas 23:55-24:1) e descobrem que a pedra fora tirada da entrada (Lucas 24:2-9).
b) Maria Madalena se apressa para contar aos discípulos sobre o desaparecimento do corpo de Cristo (João 20:1-2).
c) Maria, mãe de Tiago, chega mais perto do túmulo, vê um anjo (Mateus 28:1- 2) e volta para se encontrar com as outras mulheres que vinham com as especiarias.
d) Enquanto isso, Pedro e João chegam, verificam o túmulo vazio e saem (João 20:3-10).
e) Maria Madalena volta chorando, encontra dois anjos e depois Jesus (João 20:11-18). Cristo ordena que leve a notícia aos discípulos (João 20:17-18).
f) Maria, mãe de Tiago, retorna com as outras mulheres (Lucas 24:1-4) e deparam-se com dois anjos (Lucas 24:5; Marcos 16:5). O anjo lhes dá a notícia da ressurreição do Mestre (Mateus 28:6-8). A caminho para levarem a notícia aos discípulos, encontram-se com Jesus (Mateus 28:9-10).
Fonte: Merril F. Unger, The New Unger’s Bible Handbook, Revisado por Gary N. Larson, Moody Press, Chicago, 1984, p. 397-398.

Atividade

A alegria foi o sentimento que inundou o coração dos discípulos nos dias que seguiram a ressurreição de Cristo. Peça aos alunos para fecharem os olhos e tentarem imaginar Jesus caminhando entre eles. Sua face está iluminada. Suas vestes brilham. Com um sorriso amável cumprimenta cada um deles e estende-lhes os braços abertos. Esse é o nosso Salvador pessoal, o Salvador do mundo.
Incentive os alunos a pensarem no que gostariam de dizer a Jesus. Talvez queiram agradecer-Lhe por algo especial, pedir perdão, etc. Permita que os alunos passem um minuto em oração silenciosa conversando com o Salvador.

Encerre com uma oração de agradecimento por Seu sacrifício e pela esperança da vida eterna.


Resumo

“Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã.” Salmo 30:5. Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, Joana, os discípulos e todos os outros seguidores de Cristo que viram o nosso Senhor ressurreto comprovaram a verdade expressada nas palavras do salmista.
Maria Madalena foi a primeira pessoa a chegar ao túmulo de Jesus. Sua tristeza representou a dor que todos os Seus seguidores sentiam.

Ao descobrir que o corpo de Jesus não estava mais ali, ficou aterrorizada e se apressou para pedir a ajuda dos discípulos. Nos momentos que se seguiram, Maria almejou intensamente saber o que havia acontecido com o amado Mestre. A resposta veio do próprio Jesus.

Jesus apareceu perante Maria Madalena, antes mesmo de subir ao Céu para Se encontrar com o Pai.

Apenas depois que retornou da presença do Pai é que apareceu aos discípulos. Maria Madalena não era nenhum gigante espiritual de sua época. Era uma simples pecadora que acreditou que Jesus poderia transformá-la. Sua vida mudou completamente depois que conheceu o Mestre e por isso a gratidão que sentia era tão profunda. Por
causa de sua fé e amor, recebeu uma honra inigualável.
Esta lição nos ensina que Deus vê nosso sofrimento e nos oferece a esperança que pode ser encontrada apenas em Seu Filho, Jesus Cristo.

Se você possui o livro e deseja mais detalhes, leia o O Desejado de Todas as Nações, capítulo 82.

Dicas Para um Ensino de Primeira Linha
Destravando a Língua
Fazer com que os alunos comentem a lição da Escola Sabatina pode se tornar uma tare1 fa muito difícil. Geralmente, os alunos não têm uma opinião formada sobre o assunto, ou
pior, simplesmente não querem compartilhar o que pensam, principalmente por se sentirem
pressionados. A seguir, encontram-se algumas maneiras que podem ajudar a fazer com que
Ios alunos participem:
• Procure oportunidades de manter os alunos dialogando entre si. Realize atividades em
duplas, trios ou pequenos grupos para que possam trocar ideias antes de responder alguma pergunta.
• Proponha discussões rápidas, a menos que os alunos se interessem pelo assunto e queiram dar continuidade à discussão.
• Assim que os alunos começarem a participar, em algum momento alguém dirá algo que
não está certo, ou fará um comentário desconcertante, etc. Corrija o erro de forma geral. Faça o possível para não colocar o aluno em evidência.