sidebar1 Content

 

 

Texto Bíblico: 1 Coríntios; 2 Coríntios.
Comentário: Atos dos Apóstolos, capítulos 29 30,31 e 32.
Verso Bíblico: l Coríntios 13:12

SINOPSE
 
A pureza sexual é um tema difícil de ser abordado hoje em dia entre os jovens. Para que qualquer pessoa seja forte o suficiente para esperar até o casamento, é necessário crer na importância da pureza sexual em sua própria vida. Por que Deus nos pediria para negarmos a nós mesmos o prazer físico até o casamento? Por que Paulo adotou uma postura tão firme contra a impureza sexual? Qual é o problema, afinal?
O desejo de ser sexualmente ativo antes do casamento não diz respeito somente à experiência física, mas também ao desejo de ter um relacionamento íntimo. O Verso Bíblico (1 Coríntios 13:12) apresenta a visão bíblica de conhecer e ser plenamente conhecido —   a melhor descrição de relacionamento íntimo já expressada pelo apóstolo Paulo. O desejo de desenvolver um relacionamento íntimo é inerente ao ser humano e, ao contrário do que muitos pensam, não é um desejo pecaminoso. Deus criou o ser humano para desfrutar o relacionamento sexual dentro do casamento.
Todos nós sentimos a necessidade de amar e sermos amados. O mundo define o amor como um sentimento. A sociedade secular prega que sentimos amor, mas no momento em que esse sentimento passa, devemos desistir do relacionamento e partir para outro. Entretanto, a Bíblia define o amor de maneira muito diferente em 1 Coríntios 13. A Palavra de Deus declara que o amor se revela em ações. Ao seguirmos a direção de Deus e agirmos de maneira amorosa, o resultado será o sentimento de amor. Parte do amor verdadeiro é esperar pela demonstração física de amor que deve ser manifestada apenas dentro do casamento. O amor é paciente.
O que os alunos realmente desejam para a vida? De que maneira a Bíblia nos orienta a realizar nosso desejo? Qual a diferença entre a visão bíblica e a visão mundana sobre esse tema? Abordaremos as respostas para essas perguntas na lição desta semana.

OBJETIVOS para Os alunos:
• Entender a razão de Deus ao pedir que aguardemos o casamento para termos um relacionamento sexual. (Saber)
• Sentir as bênçãos que Deus está guardando para aqueles que esperarem com paciência. (Sentir)
• Tomar uma decisão pessoal a favor da pureza sexual. (Responder)




PARA O PROFESSOR EXPLORAR
• Sexo
• Aids e outras Doenças Sexualmente Transmissíveis — DST
• Mídia

Atividade

Peça aos alunos para classificarem de 1 a 10 (sendo 1: 0K e 10: Errado) sua opinião a respeito do relacionamento sexual antes do casamento de acordo com as seguintes situações:
1. Um casal de namorados que já está junto há um ano se separará para morar em cidades diferentes a fim de cursar a faculdade.
2. Um casal acabou de se conhecer, mas os dois se sentiram muito atraídos um pelo outro e desejam ter um relacionamento íntimo.
3. Um casal de namorados está pensando em casar, mas quer ter certeza de que os dois são sexualmente compatíveis antes de dar o passo do casamento.
Tente descobrir como os alunos se sentem em relação a esse assunto. O que os levou a classificar as situações acima da forma como escolheram? Quais foram suas razões?

Ilustração
Conte esta ilustração em suas próprias palavras:
A rainha Elizabeth 1 tinha 25 anos de idade quando se tornou a rainha da Inglaterra e da Irlanda. Sua mãe, Anne Boleyn, foi executada quando Elizabeth tinha apenas três anos. Nesse dia, Elizabeth foi declarada bastarda e seu irmão, Edward VI, por vontade própria, excluiu-a da sucessão real. Porém, quando sua irmã, Maria Católica, faleceu, depois de Elizabeth ter ficado presa por quase um ano sob suspeita de auxiliar a causa protestante, a vontade de Edward foi deixada de lado e Elizabeth assumiu o trono.
Na ocasião, a Inglaterra enfrentava um período político muito delicado. Os católicos e os protestantes estavam a ponto de seu autodestruírem. Além de Elizabeth ter de lidar com a situação instável do país, ainda estava sendo pressionada a encontrar um marido. A sociedade da época afirmava que as mulheres eram inferiores aos homens. Que eram mais fracas. Menos inteligentes. Incapazes de arcar com as imensas responsabilidades do estado. Portanto, era necessário que Elizabeth encontrasse um marido o mais rápido possível. Um marido que se tornaria rei e governaria enquanto Elizabeth se preocuparia em providenciar um herdeiro.
A lista de pretendentes era enorme. Todos aguardavam ansiosos para saber quem seria o escolhido. Elizabeth era um alvo fácil e a Europa inteira estava apenas esperando para atacá-la.
Até que a rainha fez algo que surpreendeu a todos —   ela se autodeclarou “A Rainha Virgem”! Elizabeth decidiu não se casar e dedicar-se exclusivamente ao país. Elizabeth reinou por 44 anos promovendo a tão esperada estabilidade e segurança de que seus súditos precisavam.

 


Uma Ponte Para a História

Elizabeth enfrentou uma sociedade que declarava que ela não tinha valor nenhum sem um marido. Porém, a firmeza de caráter da rainha tornou-a personagem principal de muitas histórias e lendas desde então. Deus não espera que permaneçamos solteiros pelo resto da vida, mas deseja que defendamos aquilo que é certo. Apesar da pureza sexual não ter valor para o mundo hoje, tem muito valor aos olhos de Deus, pois Ele sabe que, se seguirmos Suas instruções, seremos muito mais felizes.

Aplicando a História

• Qual era a importância da pureza sexual para Paulo?
• Faça uma lista das definições de amor encontradas em 1 Coríntios 13. A primeira descrição firma que o amor é paciente. O que isso significa para você?
• De acordo com os textos bíblicos desta semana, de que maneira os relacionamentos amorosos apresentados pelos filmes de Hollywood são diferentes do ideal de Deus para Seus filhos?
Utilize as passagens a seguir como fontes alternativas relacionadas à lição desta semana.
João 4:1-42; 8:1-11; Gálatas 5:16-26; 1 Coríntios 6:12-20.

Apresentando o Contexto e o Cenário

A cidade grega de Corinto está localizada a 79 quilômetros a oeste de Atenas. Na antiguidade, além de ser famosa por sua riqueza e imoralidade, também era conhecida por abrigar um enorme templo dedicado à deusa Vênus, que contava com mais de mil sacerdotisas prostitutas, O povo de Corinto já tinha visto de tudo e não se impressionava com qualquer coisa.
É importante lembrar que a igreja de Corinto era uma congregação relativamente nova e que Paulo estava fazendo tudo ao seu alcance para orientar seus membros e mantê-los no caminho certo. O apóstolo ficou muito triste ao ouvir histórias de impureza sexual entre os membros da igreja. Um jovem estava até mesmo tendo relações sexuais com a madrasta! Isso era totalmente inaceitável e Paulo sabia que a congregação estava fazendo vistas grossas, escondendo a sujeira debaixo do tapete e encarando tais atos abomináveis aos olhos de Deus como algo fora da responsabilidade da igreja. Paulo não ficou em silêncio. Esse assunto era da responsabilidade da igreja, sim! As expectativas de Deus para com os fiéis eram muito mais elevadas do que para com os pagãos que não O conheciam. Deus esperava que a igreja responsabilizasse os transgressores por seus atos.
Paulo os advertiu a não se associarem com ninguém que alegasse ser fiel, mas que mantivesse um estilo de vida oposto ao instituído por Deus. Paulo os instruiu a pararem de falar com os transgressores e a cortarem qualquer relação com eles. Paulo sabia muito bem que pessoas com as mesmas inclinações têm a tendência de se associarem e que, se aquele jovem não fosse censurado, acabaria perdendo a salvação. Era melhor tratá-lo com firmeza e rigidez do que perdê-lo por toda a eternidade.
Paulo (em 1 Coríntios 13) descreveu a natureza do verdadeiro amor. Embora a adoração a Vênus, a deusa grega do amor, enfatizasse a satisfação sexual, Paulo ensinou que o verdadeiro amor é algo totalmente diferente do que o povo estava acostumado. Paulo mostrou que o amor não é um sentimento passageiro ou um ato sexual, mas um estilo de vida. O amor não é um romance imoral ou um ato egoísta, mas um padrão de comportamento. O amor é paciente, bondoso, abnegado e puro. O texto bíblico continua: “O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade” (1 Coríntios 13:6). O amor aponta o erro para que a pessoa possa corrigi-lo e ser beneficiada. Somente o amor de Deus em nossa vida pode mostrar-nos como fazer isso de forma eficaz!

Resumo

Deus deseja que permaneçamos puros. Esse não é simplesmente um exercício de autocontrole ou de negação. Deus quer que todos tenhamos o relacionamento íntimo que tanto almejamos, mas da maneira correta, como Ele planejou desde quando fomos criados.
O amor geralmente é definido por nossa sociedade moderna como o ato sexual ou uma emoção. As emoções são imprevisíveis e o ato sexual descompromissado é uma experiência vazia que gera sentimento de culpa. A Bíblia define o amor como uma ação. O amor é demonstrado pela maneira como reagimos em situações difíceis ou pela paciência que expressamos ao esperar.
Dentro do casamento, o ato sexual é uma linda demonstração de amor; mas, fora dele, o ato sexual nos sujeita à frustração, à vergonha e à mágoa. Se seguirmos o plano de Deus e esperarmos pacientemente o momento certo para desfrutarmos esse relacionamento íntimo, vivenciaremos todas as bênçãos que Deus está guardando para aqueles que Lhe obedecerem. O amor verdadeiro e duradouro espera o momento certo.


Atividade
Oriente os alunos a pensarem nas consequências negativas que podem resultar de um relacionamento sexual prematuro. Algumas delas são: doenças sexualmente transmissíveis, gravidez, crise emocional, impossibilidade de continuar os estudos devido à gravidez indesejada, casar-se com alguém que talvez não seja um bom cônjuge e baixa autoestima após o término de um relacionamento em que já houve relação sexual. Instrua os alunos a analisarem a atividade que realizaram no início da aula em que classificaram de 1 a 10 cada uma das três situações. Pergunte se ainda concordam com a classificação que fizeram ou se gostariam de alterá-la. Peça para justificarem, caso queiram fazer alguma mudança.

Estimulando a Reflexão Independente
Os alunos que têm como hábito refletir sobre as informações recebidas não aceitam passivamente o que o professor diz. Eles questionam e analisam tudo para ver se aquilo faz sentido. Esse é um passo muito importante a ser dado antes que os alunos possam fazer uso daquilo que aprenderam. Uma dica para estimular o hábito de refletir em sua classe é lançar perguntas mais abrangentes e mais profundas, não simplesmente perguntas simples e diretas de recapitulação de conteúdo. Isso ajudará os alunos a refletirem sobre as informações de maneira independente e a tirarem as próprias conclusões. Além disso, trará nova luz à sua experiência espiritual.
Lembre os alunos sobre o plano de leitura, em que eles estudarão, na série O Grande Conflito, o comentário inspirado da Bíblia. A leitura correspondente a esta lição é Atos dos Apóstolos, capítulos 29, 30, 31 e 32.